Escola do Cervejismo Mágico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Escola do Cervejismo Mágico

Mensagem por joaofld em Seg 25 Mar 2013, 12:03

Gênero Literário iniciado por monges de Zêl na Eurásia.

Cervejismo Mágico:

¨¬ Lúpulo é!
(Xinto Senpa - ano?)



Manifesto:

"Nunca é grande o caldeirão, nunca é frio o bastante o gigante espumante, não obstante, o suor escorre da tampa do mel, é o fel temperado, cevado, embriagado. Temos fé no lúpulo coisificado em uma montanha trovejante de escarpas douradas. Treliças dobradas e mangueiras frisadas irrigam, extensas que são, nossos campos dourados. Borbulha a vida quando a caneca trinca e a vitória murmura boa nova que é o fruto saboroso, que nota por nota trota na língua. Passo largo na colheita, a letra perfeita, um barril na alcova brota em brilho e realeza. Guardamos o pergaminho do luxuriante resultado, a história da cerveja."


Expoente brasileiro:


Cevada malteada me maltrata - Ticio Miranda Foiquefoi

Bateu uma badalada, apenas uma lata tomada, duas badaladas duas latas

tomadas, três badaladas, três latas tomadas, quatro badaladas, quatro latas

tomadas, cinco badaladas, cinco latas tomadas, seis badaladas, seis latas

tomadas, sete baladadas, sete latas tomadas, oito baladasda, oito latas

tombadas, nove baladas, nove latas tomadas, dez latas badaladas, dez tomadas,

onze lombadas , onze badaladas em lata, doze badaladas o cavalo arranha-céu

com quatro braços, tomou de minha mão, em suspensão, a cerveja última,

quando encerrou o prazo do relógio no átrio, abraçando a meia noite, o desafio perdido.

Me maltrata cevada, maltrata um maltrapilho.



Ticio Miranda Foiquefoi
avatar
joaofld

Mensagens : 71
Data de inscrição : 24/03/2013
Idade : 35
Localização : Fortaleza, Ceará

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum