Bancando o Tradutor - Babel-17 - Samuel R. Delany

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Bancando o Tradutor - Babel-17 - Samuel R. Delany

Mensagem por joaofld em Qua 04 Set 2013, 18:54

Estou há algum tempo me treinando na tradução. Entrei para um grupo de tradutores que se foca naqueles romances açucarados-eróticos de banca de revista, publicados pela Harlequin. Antes disso já havia tentado traduzir um outro livro dessa mesma categoria, mas havia desistido. É um bom treino para o ato da escrita. No grupo, estou no primeiro livro e devido a minha questão de tempo, me deram um romance que não tem pressa. (Gostei disso) E, agora, resolvi fazer aos poucos, a tradução do Babel-17, do Samuel R. Delany, (que não tem tradução para o português - aqui ou em Portugal) pra ver o que vai dar. Aqui está um trecho; são apenas dois parágrafos, mas queria que vocês comentassem alguma coisa.

Aqui o trecho em inglês:

IT'S A PORT CITY.

Here fumes mst the sky, the'General thought. Industrial gases flushed the evening with oranges, salmons, purples with too much red. West, ascending and descending transports, shuttling cargoes to stellarcenters and satellites, lacerated the clouds. It's a rotten poor city too, thought the General, turning the comer by the garbage-strewn curb.

Since the Invasion six ruinous embargoes for months apiece had strangled this city whose lifeline must pulse with interstellar commerce to survive. Sequestered, how could this city exist? Six times in twenty years he'd asked himself that. Answer? It couldn't.

Panics, riots, burnings, twice cannibalism—

The General looked front the silhouetted loading towers that jutted behind the rickety monorail to the grimy buildings. The streets were smaller here, cluttered with transport workers, loaders, a few stellarmen in green uniforms, and the hoard of pale, proper men and women who managed the intricate sprawl of customs operations. They are quiet now, intent on home or work, the General thought. Yet all of these people have lived for two decades under the Invasion. They've starved during the embargoes, broken windows, looted, run screaming before fire-hoses, torn flesh from a corpse's arm with decalcified teeth.
O trecho em espanhol:

Es una ciudad portuaria.

Aquí las emanaciones herrumbran el cielo, pensó el general. Los gases industriales sonrojaban la tarde con naranjas, rosados, púrpuras con demasiado rojo. Al oeste, los transportes que ascendían y descendían, cargueros con destino a los centros estelares y a los satélites, laceraban las nubes. Además, es una ciudad espantosamente pobre, pensó el general al doblar la esquina, esquivando las pilas de basura amontonadas junto a la acera.

Desde la Invasión, seis embargos de varios meses de duración habían asfixiado a esta ciudad, cuyo corazón debía latir alimentado por el comercio interestelar para sobrevivir. Secuestrada, ¿cómo podía existir esta ciudad? En los últimos veinte años se lo había preguntado seis veces. ¿Respuesta? No podía hacerlo.

Pánico, disturbios, incendios, dos veces canibalismo…

El general paseó la mirada desde la silueta de las torres de carga —que se perfilaban detrás del desvencijado monorriel— hasta los vetustos edificios. Las calles eran más estrechas aquí, atestadas de obreros de transporte, cargadores, unos pocos oficiales estelares con sus uniformes verdes y una horda de pálidos y correctos hombres y mujeres que manejaban la intrincada red de operaciones aduaneras. Están tranquilos ahora, concentrados en sus hogares o sus trabajos, pensó el general. Sin embargo, toda esa gente había vivido veinte años bajo la Invasión. Se habían muerto de hambre durante los embargos, habían roto ventanas, saqueado, habían huido gritando ante las mangueras contra incendio, habían desgarrado la carne del brazo de un cadáver con sus dientes descalcificados…
Minha versão:

É uma cidade portuária.

Aqui, a fumaça dá um tom de ferrugem ao céu, pensou o general. Os gases expelidos pelas indústrias encobriam a tarde de tons alaranjados, rosados, púrpuras de vermelho acentuado. Ao oeste, os veículos que subiam e desciam (cargueiros com destino aos centros estelares e satélites) cortavam as nuvens. Apesar disso, era uma cidade pobre demais, pensou o general, desviando de uma pessoa, numa calçada cheia de lixo.

Desde a invasão, seis embargos comerciais de vários meses de duração haviam asfixiado essa cidade, cujo coração devia pulsar com o comércio interestelar para sobreviver. Isolada do mundo, como essa cidade pode existir? Ele havia se perguntado seis vezes ao longo de vinte anos. Resposta? Ele não tinha.

Pânico, distúrbios, incêndios, canibalismo por duas vezes...

O General percorreu com os olhos da silhueta das torres de carga, que se perfilavam por trás do frágil monotrilho, até os imponentes edifícios. As ruas eram mais estreitas aqui, abarrotadas de funcionários do transporte, carregadores, alguns poucos oficiais estelares com seus uniformes verdes e uma horda de pálidos e respeitáveis homens e mulheres que movimentavam a intrincada rede de operações aduaneiras. Estão tranquilos, agora, concentrados em seus lugares ou seu trabalho, pensou o General. No entanto, todas essas pessoas tinham vivido duas décadas sob a invasão. Passaram fome durante o embargo, quebraram janelas, saquearam, correram gritando das mangueiras de incêndio, arrancaram a carne do braço de um cadáver com seus dentes “descalcificados”
.
No meu trecho, eu deixei a palavra descalcificados entre aspas, pois acho que mesmo que o autor tenha usado essa palavra, me parece fazer mais sentido usar, em português, outra palavra que dê conta do péssimo estado dos dentes dos habitantes da cidade. Fraseológicamente, essa palavra (descalcificado) não faz parte do modo como a gente diz. O que vocês acham?

Estou usando duas versões, a inglesa (em que o livro foi escrito) e a tradução espanhola.

Sei que algumas coisas passaram batidas, como ortografia e pontuação... apontem para eu consertar. Estilisticamente, tem algumas coisas estranhas, mas com as revisões, talvez eu consiga corrigir.

Abraços e Obrigado!
avatar
joaofld

Mensagens : 71
Data de inscrição : 24/03/2013
Idade : 35
Localização : Fortaleza, Ceará

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Bancando o Tradutor - Babel-17 - Samuel R. Delany

Mensagem por RicK Falco em Sex 13 Set 2013, 17:31

Eu seria mais direto, no sentido da real intenção do autor - muito embora isto traga para mim o "direito supremo" de interpretação da obra analisada/traduzida. No entanto, se aparecerá lá nos créditos o meu nome como tradutor, significa que a tradução é MINHA e, consequentemente, será minha também a interpretação/leitura feita da obra original.

Em outras palavras, sempre que fico em dúvida ou desconfortável com relação a palavra utilizada, opto por "matar no peito" o dilema e puxo para mim a responsabilidade.

EU faria assim:

..."arrancaram a carne do braço de um cadáver com seus dentes podres.

Simples assim! Smile 

Abrax!

Paz e Bem!

Agora estou no Wix!
avatar
RicK Falco

Mensagens : 14
Data de inscrição : 25/03/2013
Idade : 41
Localização : Rio de Janeiro

Ver perfil do usuário http://www.subterfugio.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Bancando o Tradutor - Babel-17 - Samuel R. Delany

Mensagem por joaofld em Qui 03 Out 2013, 10:29

A pergunta que não quer calar: onde encontrar a "real intenção do autor"?

Sim, dentes podres fica muito melhor. Na verdade, essas questões estilísticas serão melhor resolvidas na revisão ao final.

Obrigado! Laughing
avatar
joaofld

Mensagens : 71
Data de inscrição : 24/03/2013
Idade : 35
Localização : Fortaleza, Ceará

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Bancando o Tradutor - Babel-17 - Samuel R. Delany

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum